BEM VINDO A TODOS!

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

LAURIETE TÔ NAS MÃOS DE DEUS.




SIGNIFICADO TÍPICO DAS SETE IGREJAS

Pensam alguns que as sete igrejas representam sete eras da História da Igreja: considerando-as na ordem em que são mencionadas e os sucessivos períodos da Igreja em ordem cronológica.


O livro mesmo não diz que as sete igrejas são típicas de sete eras da Igreja.  É conclusão a que chegam, comparando os traços característicos dessas igrejas com certos aspectos característicos da História Eclesiástica.


Outros acham que é necessário um esforço considerável para dividir a História Eclesiástica em sete épocas, a fim de corresponderem às características das sete igrejas, e têm dúvidas se a ordem geográfica consecutiva em que estas cidades se apresentam foi destinada por Deus a ser uma figura do curso da História da Igreja.  Alguns consideram a interpretação extremamente fantasiosa.


Os que aceitam a interpretação diferem algo quanto às Épocas representadas.  Vai adiante um paralelo aproximado, geralmente seguido:


1.         Éfeso:            Período de Declínio no Fim da Era Apostólica.
2.          Esmirna:        Período de Perseguições, Primeiros 300 anos.

3.         Pérgamo:      Período Imperial, de Constantino ao papado.

4.        Tiatira:         Período Papal, do 6º ao 16º Século.  Ou Período Papal, do 6º ao 12º Século.

5.     Sardes:        Período Papal, do 12º ao 16º Século.  Ou Período da Reforma ao Surto do Metodismo.  Ou do Período da Reforma ao Tempo Presente.

6.     Filadélfia:     Período da Reforma Protestante. Ou Período Missionário do Século 19.  Ou a Igreja Arrebatada.

7.    Laodicéia:     Do Tempo Presente à Vinda do Senhor.  Ou Núcleo da Igreja de Tribulação Fingida.


As igrejas mencionadas realmente existiram nos dias de João.  Ao tratar com elas, Jesus parece estar-nos dando, em sete períodos uma breve história da Igreja desde o primeiro século até o século presente.

ü   Éfeso – A Igreja do primeiro amor: a Igreja Apostólica

ü   Esmirna – A Igreja perseguida: de Diocleciano a Constantino (2.8-11).

ü   Pérgamo – A Igreja sob o favor imperial: sob Constantino (2.12-17).

ü   Tiatira - A Igreja papal: a Idade Média (2.18-29).

ü   Sardes – A Igreja da Reforma: O Protestantismo dos séculos 16 e 17 (3.1-6).

ü   Filadélfia – A Igreja missionária: iniciada com o movimento puritano (3.7-13).

ü   Laodicéia – A Igreja rejeitada: a igreja da apostasia final (3.14-19).



Nenhum comentário: