BEM VINDO A TODOS!

sexta-feira, 5 de abril de 2013

escoladominicalemfoco.blogspot.com.bFAMÍLIA, CRIAÇÃO DE DEUS.







ADMEP – ASSEMBLEIA DE DEUS – MINISTÉRIO ESTUDANDO A PALAVRA

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CRISTÃ

FAMÍLIA, CRIAÇÃO DE DEUS.
07 de Abril de 2013


TEXTO ÁUREO

“E disse o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só: far-lhe-ei uma adjutora que esteja como diante dele”

 [Gênesis 2. 18].

VERDADE PRÁTICA

A família é uma instituição divina. Ela é à base da vida social.


Leitura Bíblica em Classe:
Gênesis 2. 18 – 24


INTRODUÇÃO: - O assunto deste 2º trimestre trata da Família, como Instituição criada por Deus no Éden, no princípio de todas as coisas.  Neste trimestre, a Família é enfocada na Sociedade Pós-Moderna, como o alvo preferencial das “Portas do Inferno”.

Neste Trimestre vai ser mostrado que as Famílias Cristãs não estão isentas de conflitos, mas estes podem ser resolvidos com a ajuda divina.

Será enfatizado que a Família Cristã está sob ataque mortal das forças do mal. Mas que é possível pais e filhos vencerem, sob a orientação segura e firme da Palavra de Deus, especialmente, se a Família adotar o Culto Doméstico, [Lição 10] como atividade rotineira em seu Lar. E ainda a Lição 11 vai ressaltar o valor da Escola Dominical para a formação de caráter e da personalidade.

Mas o trimestre conclui, mostrando que podemos servir a Deus com toda a Família, submetendo-se à sua vontade.
Nesta primeira lição estudaremos a instituição da Família no plano divino, bem como a sua constituição ao longo dos anos. Veremos também as consequências da Queda na vida familiar.

OBJETIVOS:

ü   Compreender a Família no plano divino.
ü   Conscientizar-se das consequências da Queda para as famílias.
ü   Analisar a constituição familiar ao longo dos anos.

    I.          A FAMÍLIA NO PLANO DIVINO

1)           O Propósito de Deus. – Deus criou a família com propósitos sublimes, para o indivíduo e para toda a humanidade.

ü   Evitar a Solidão. - Deus não fez o homem para viver na solidão [Gn 2. 18]; Ele tinha em mente a constituição da família, mas esta não está completa só com o casal. Por isso, o Senhor previu a procriação [Gn 1. 27 – 28; Sl 68.6; 113. 9].

ü   Bem-estar Social.  - A Família foi projeto de Deus para a vivencia do homem na terra. [Gn 2. 24]. A Sociedade é formada de famílias. A igreja local é formada de famílias.

ü   Bem-estar Emocional. - Marido e mulher complementam-se em suas necessidade emocionais. Nos momentos alegres, compartilham seus sentimentos de felicidade.  Nos momentos tristes ou difíceis, ajudam-se mutualmente, impulsionados pelo amor conjugal.

ü   A Multiplicação da Espécie. - Deus quer que cada pessoa nasça no mundo, em cumprimento à ordem para o crescimento e a multiplicação da espécie humana, com base no amor e na união  entre marido e mulher; entre pais e filhos.

2)           A Primeira Família. – Não sabemos por quanto tempo viveram como um casal. Mas, experimentando o relacionamento previsto pelo Criador, geraram os primeiros filhos.

Por razões que só Deus pode avaliar plenamente, em sua divina onisciência e sabedoria, a primeira família foi vítima do ataque mortal do Maligno.  Primeiro homicídio; primeira bigamia [Gn 4. 18,19]. Daí para a poligamia e até chegar o divórcio. [Dt. 24.1-4].

3)           Jardim do Éden, Lugar de Proteção e Cuidado. – O Jardim do Éden foi o primeiro “habitat” do homem. A palavra Jardim é a tradução da palavra hebraica gan, que designa lugar fechado. Basicamente, significa “prazer ou delícia”.

ü   O Ambiente Perfeito do Éden. - Lugar aprazível, lugar delicioso, sem medo, sem pavor, sem fadiga, sem cansaço, ambiente paradisíaco.

ü   O Cuidado de Deus. – Havia perfeita harmonia entre os seres racionais e os irracionais.

ü   O Trabalho no Éden. – É interessante notar que o trabalho, a atividade da mente e do corpo, desde o princípio, foi significado por Deus.  Tudo era belo, agradável e bom. [Gn 2. 15].

ü   A Presença de Deus no Primeiro Lar. – A presença do Criador enchia o primeiro lar de muita paz e de alegria indizível. [Gn 3. 8a.] lamentavelmente, foi o cenário, onde começou a rebelião do homem contra o seu Criador.

 II.    A QUEDA E AS SUAS CONSEQUÊNCIAS PARA A FAMÍLIA

A Queda não só atingiram o casal, mas a todos os seus descendentes, ao longo dos séculos, até os dias presentes. Todas as famílias são alcançadas de uma forma ou de outra, pelas consequências da Queda.

ü   Antes da Queda, o homem possuía estrutura espiritual e física excepcionais.

§    Tinha o conhecimento profundo de Deus, a comunhão direta com o Criador.

§    Tinha as bênçãos da presença de Deus no Jardim; a paz, a segurança e a alegria de se relacionar com o Criador sem intermediários;
§    Possuía conhecimento e bem-estar físico inigualáveis, sem doenças, distúrbios emocionais ou físicos; não conheciam o medo.

§    Tinha conhecimento interno e externo em relação à sua pessoa;
§    Conhecia a realidade social; conhecia o trabalho de modo útil e satisfatório [Gn 2. 15].

ü   A Vida familiar após a Queda. Terrível transtorno total na vida dos primeiros seres criados.

§    Conheceram que estavam nus, dando entender que antes não se constrangiam nessa condição.

§    Conheceram o medo. Foi à primeira enfermidade que o homem experimentou. Enfermidade ou distúrbio de ordem emocional.

§    Perderam a autoridade sobre a Criação. O homem foi criado para dominar a natureza [Gn 1. 26].  Hoje, porém, às vezes famílias perdem um ente querido por serem atingidos por insetos ou agentes microscópicos.

§    Conheceram a desarmonia. Quando questionado pelo Criador sobre o seu pecado, Adão pôs a culpa na esposa [Gn 3. 12].  A mulher pôs a culpa na serpente. Assim, teve início à tão conhecida “incompatibilidade de gênios”, que provoca desavenças entre casais, com sérias consequências sobre a estabilidade familiar.

§    O homem conheceu a maldição da terra. O trabalho passou a ser penoso e fatigante, sua missão era lavrar e guardar a terra.

§    E o pior: perdeu a vida eterna, que lhe era assegurada, na condição original, e conheceu o aguilhão da morte física. [Gn 2. 17; Ef 2. 5] e da morte espiritual, que é a separação de Deus.


III.               A CONSTITUIÇÃO FAMILIAR AO LONGO DOS SÉCULOS

1)           A Família Patriarcal. – A Família patriarcal era permitido ao homem ter diversas esposas. Este modelo é visto em todo Antigo Testamento, mas não era o molde determinado pelo Senhor. As esposas e os filhos não tinham liberdade de escolha, pois a palavra final era sempre do patriarca. A mulher era considerada cidadã de segunda categoria.

2)           A Família Nuclear. – (monogâmica). Também chamada de “família tradicional”, formada por pai, mãe e filhos, como núcleo familiar [Gn 2. 24], em torno do qual se desenvolvem ou descendentes, parentes e outros que a ela se agregam.

3)           A família na Atualidade. – Assim como o casamento, a família, na atualidade, é a instituição mais visada pelos ataques satânicos.  A família nuclear tem sido depreciada pelos intelectuais, por cientistas sociais, todos os adeptos do materialistas. Mas os maiores influenciadores para a destruição da família são os que detêm o poder da mídia. Sem sombra de dúvidas, a mídia secular está a serviço do Diabo, como instrumento poderosos para a desconstrução ou destruição dos valores tradicionais, emanados da Palavra de Deus.

CONCLUSÃO: - É importante reafirmar que o casamento foi ideia de Deus, desde o início, e Ele o criou para cumprir os seus propósitos, que podem ser resumidos da seguinte maneira: Oferecer glória a Deus; propiciar companhia para o outro; servir, um ao outro; procriar uma descendência devota e criar a unidade básica de trabalho e serviço.



Professora, Maria Valda.


LEMA:
 “Dá instrução ao SÁBIO, e ele se fará mais SÁBIO; ensina ao JUSTO, e ele crescerá em ENTENDIMENTO”. (Provérbios 9. 9).

Não Falta a Próxima Aula!  - Sua falta entristece o nosso coração!
Próxima Aula: O Professor será - Luiz Afonso

DEC Departamento de Educação Cristã
Superintendência.


Nenhum comentário: