BEM VINDO A TODOS!

sábado, 7 de junho de 2014

“O MINISTÉRIO DE MESTRE OU DOUTOR”



ADMEP – ASSEMBLEIA DE DEUS – MINISTÉRIO ESTUDANDO A PALAVRA

EBD - Escola Bíblica Dominica
Departamento de Educação Cristã


 Tema

   “O MINISTÉRIO DE MESTRE OU DOUTOR”

08 de Junho de 2014


TEXTO ÁUREO

“De modo que, tendo diferentes dons, segundo a graça que nos é dada: [...] se é ensinar, haja dedicação ao ensino”.

(Rm 12. 6, 7)


VERDADE PRÁTICA

Os vocacionados por Deus para o ministério do ensino são por Ele chamados para edificar a Igreja de Cristo.




LEITURA BÍBLICA EM CLASSE:

Romanos 7, 28, 29; Atos 13. 1; Romanos 12. 6, 7; Tiago 3.1


Objetivos

§  Aprender – que Jesus, o mestre da Galileia, é Mestre por Excelência.
§  Identificar a ordem de Jesus aos seus discípulos para ensinar a igreja do primeiro século.
§  Saber da importância do dom ministerial de ensinador na igreja local.


Introdução: -  Nunca foi tão necessário, como hoje, a Igreja investir na figura do Mestre Cristão. Quando o crente é ensinado a estudar a Bíblia para compreender o mundo e a cultura bíblica, relacioná-la com o mundo do século XXI e aplicá-la à vida das pessoas de maneira competente, o risco de sofrermos o engano é amenizado. Para quem pensa ser prejudicial à vida espiritual estudar a Bíblia com seriedade, deveria pensar na elaboração das traduções bíblicas, por exemplo, disponíveis no Brasil. Se não houvesse homens e mulheres levantados por Deus e versados na erudição (línguas hebraica, grega, aramaica, egípcia e outras; a cultura oriental; a arqueologia para se achar manuscritos dos mais antigos possíveis), por certo, não teríamos a bíblia traduzida em nosso idioma. Por isso, valorize quem se esmera por conhecer mais as Escrituras.         [Interação-Lição].


*  O Ministério do Ensino da Palavra é primordial para a igreja exercer o discernimento no que tange ao tempo em que vive [culturas. Teologia, filosofias etc.]. Tão importante é a função do mestre na igreja que as Escrituras declaram o quanto ele deve esforçar-se intelectualmente para exercer tão nobre tarefa [Rm 12. 7; I Tm 4. 13]. É uma tarefa importante e indispensável que exige muito de quem desempenha.     [Lição]

Definição: - Os Mestres ou Doutores são aqueles que têm de Deus um dom especial para esclarecer, expor e proclamar a Palavra de Deus, a fim de edificar o corpo de Cristo [Ef 4. 12].


I.          JESUS, O MESTRE POR EXCELÊNCIA


1) O Mestre da Galileia. - Jesus levou 70% do seu ministério ensinando. “Percorria Jesus toda a Galiléia, ensinando nas suas sinagogas, e pregando o Evangelho do Reino [...] (Mt 4. 23). Ensinava com autoridade [Mt 7.28,29]. Era impossível ouvi-lo e ficar indiferente.

2)  Jesus, o Mestre dos Mestres. – Uma das maiores declarações acerca de Cristo foi feita por Nicodemos. Ele disse a Jesus: “Rabi, bem sabemos que és Mestre, vindo de Deus; porque ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não for com ele” (Jo 3.2). Das 90 vezes que alguém se dirigiu à Cristo nos Evangelhos, 60 vezes Ele é chamado de Mestre. Grande parte do ministério de nosso Senhor Jesus foi ocupado com o ensino (Mt 4.23; 9.35; Lc 20.1).

O Mestre dos Mestres deixou-nos grandes exemplos de sua pedagogia.

1.1. Conhecia a matéria que ensinava [Lc 24. 27];

1.2. Conhecia seus alunos [Mt 13; Lc 15. 8 – 10; Jo 21];

1.3. Reconhecia o que havia de bom em seus alunos [Jo 1. 47];

1.4. Ensinava as verdades bíblicas de modo simples e claro [Lc 5. 17 – 26; Jo 14. 6];

1.5. Variava o método de ensino conforme a ocasião e o tipo de ouvintes [Parábolas, perguntas, discursos, preleção, leitura, demonstração, etc.] (GILBERTO, Antônio. Manual da Escola Bíblica Dominical, p. 165, 166).

3)      O Mestre da humildade. -  A fim de ensinar os discípulos acerca da humildade, Jesus lavou os pés dos discípulos (Jo 13. 4,5, 13 – 15). Era inimaginável um mestre encurvar-se para lavar os pés de pessoas leigas. Jesus era um mestre e deu o exemplo aos discípulos. E nos convida a fazer o mesmo.


SINOPSE DO TÓPICO (1)

Jesus, o mestre da Galileia, é reconhecido em o Novo Testamento tanto como o Mestre Divino quanto o Mestre da humildade.


II.          A IMPORTÂNCIA DO DOM MINISTERIAL DE MESTRE


1)     Uma necessidade urgente da igreja. - Para o ministério de ensino ser eficaz na igreja local é preciso haver pessoas vocacionadas. Não são todas que reúnem informações exegéticas, históricas e literárias da Bíblia, aplicando-as como é necessário. Deus concedeu à sua igreja mestres, e é preciso que ela invista neles também. Muitas vezes, por absoluta falta de preparo dos obreiros, predomina a superficialidade bíblica, a infantilidade “espiritual” e o aumento do engano promovido pelas astúcias dos falsos mestres (2 Pe 2.1). Esse dom do Senhor é para a igreja amadurecer em todas as dimensões da vida cristã, ao mesmo tempo em que desmascara os falsos ensinos (Ef 4.14; Os 4.6).

2)   A responsabilidade de um discipulado contínuo. - Estamos acostumados a pensar que o discipulado termina quando o novo convertido é batizado. Não há nada mais equivocado! O Senhor Jesus chamou-nos para ser os seus discípulos por toda a vida. Por isso, quem ensina instrui os crentes para a maturidade da fé. É um aprendizado diário, permanente e contínuo, tanto para quem é discipulado quanto para quem está discipulando!

3)  Requisitos necessários ao mestre. - Apresentaremos alguns requisitos importantes para a igreja reconhecer pessoas com o dom ministerial de mestre em nossa época:

a)     Um salvo em Cristo. Não pode haver dúvidas quanto à própria experiência salvífica por parte do vocacionado para o ministério do ensino (2 Tm 2.10-13). Infelizmente há pessoas que não creem naquilo que ensinam. Assim, não há verdade nem firmeza nelas.

b)       O hábito de ler. Em nosso país, a leitura é um problema cultural. Se as pessoas leem pouco, a igreja pouco lerá. Entretanto, como ensinaremos se não lermos? O hábito da leitura era levado a sério no ministério do apóstolo Paulo (1 Tm 4.13; 2 Tm 4.13).


c)   Preparo intelectual.  A Bíblia é o instrumento de trabalho do ensinador cristão. Considerando este livro milenar, veremos que a cultura e o mundo da Bíblia são diferentes do nosso. Por isso, o mestre deve compreender o mundo da Bíblia (suas questões culturais, linguísticas, exegéticas etc.) para não fazer apelações fantasiosas, apresentando-as como exposição da Palavra de Deus.

d)   Um coração em chamas.  Precisamos alcançar as mentes e os corações dos nossos dias, e isto apenas será possível quando tivermos obreiros com uma mente bem preparada e conectada a um “coração em chamas” e apaixonado por Jesus (At 3.12-26).


SINOPSE DO TÓPICO (3) – O dom ministerial de mestre é uma necessidade para a igreja local e uma responsabilidade para um discipulado permanente.



III. O ENSINO DAS ESCRITURAS NA IGREJA DO PRIMEIRO SÉCULO


1)    Uma ordem de Jesus. - Antes de ascender aos céus, de modo solene Jesus determinou aos seus discípulos que ensinassem “todas as nações [...] a guardar todas as coisas” que Ele tinha ordenado (cf. Mt 28.19,20).

2)       A doutrina dos apóstolos. - O texto de Atos 2.42 informa-nos que os primeiros convertidos “perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações”. A “doutrina dos apóstolos” aqui referida trata-se do conjunto de ensinos de Cristo ministrados por eles de forma constante e eficaz para o crescimento integral dos novos crentes.

3)   Ensinamento persistente. - Os primeiros mestres das Escrituras foram os integrantes do Colégio Apostólico (At 5.42, cf. vv. 40, 41). A Igreja começou nas casas, onde o ensino era ministrado a pequenos grupos nos lares. Deus havia preparado homens para ensinar e levantado “doutores” na igreja em Antioquia (At 13).



CONCLUSÃO

É preciso desfazer a ideia propagada ao longo de décadas acerca do preparo intelectual do crente. Não é verdade que necessariamente ele esfriará na fé se estudar. Se fosse assim Paulo seria o mais frio dos apóstolos do Novo Testamento, pois não havia obreiro mais bem preparado que ele [At 17. 15 – 34; Tt 1. 12].







Lição Elaborada pela Professora,
    Pra. Maria Valda
                      E-mail:  pastora.mariavaldap@mail.com                        



Nenhum comentário: