BEM VINDO A TODOS!

sábado, 9 de novembro de 2013

O EXEMPLO PESSOAL NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS


cpad


ADMEP – ASSEMBLEIA DE DEUS – MINISTÉRIO ESTUDANDO A PALAVRA

EBD - Escola Bíblica Dominical

Departamento de Educação Cristã


O EXEMPLO PESSOAL NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS


10  de Novembro  de 2013


TEXTO ÁUREO

“O Justo anda na sua sinceridade; bem-aventurado serão os seus filhos depois dele"

Pv 20. 7

Verdade Prática

A melhor forma de se educar um filho é através do exemplo, pois as palavras  passam, mas o exemplo permanece.



LEITURA BÍBLICA EM CLASSE:

Provérbios 4. 1 - 9



Objetivos

Reconhecer  importância de se colocar limites aos filhos. 
Saber do valor do exemplo na educação dos filhos.
Promover a educação integral da criança.




Alunos: José Mauro e Sandra 


O exemplo pessoal fala mais alto que o discurso. Pais que ensinam a Bíblia aos filhos, mas que são negligentes em praticá-la, que não dão exemplo na vida familiar, profissional, eclesial e pessoal, estão cooperando para a insubmissão e rebeldia dos mesmos diante das autoridades constituídas, e para dificuldades de relacionamentos com os seus pares.

A importância da educação no contexto familiar já é vista desde o Antigo Testamento:

Estes, pois, são os mandamentos, os estatutos e os juízos que mandou o SENHOR, teu Deus, se te ensinassem, para que os cumprisses na terra a que passas para a possuir; para que temas ao SENHOR, teu Deus, e guardes todos os seus estatutos e mandamentos que eu te ordeno, tu, e teu filho, e o filho de teu filho, todos os dias da tua vida; e que teus dias sejam prolongados. Ouve, pois, ó Israel, e atenta em os cumprires, para que bem te suceda, e muito te multipliques na terra que mana leite e mel, como te disse o SENHOR, Deus de teus pais. Ouve, Israel, o SENHOR, nosso Deus, é o único SENHOR. Amarás, pois, o SENHOR, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força. Estas palavras que, hoje, te ordeno estarão no teu coração; tu as inculcarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e ao deitar-te, e ao levantar-te. Também as atarás como sinal na tua mão, e te serão por frontal entre os olhos. E as escreverás nos umbrais de tua casa e nas tuas portas. (Dt 6.1-9, ARA)

O texto de Deuteronômio 6.1-9 é um clássico da educação que tem a Bíblia como referencial. Nele, de forma clara e objetiva se observa o privilégio e a responsabilidade da família na educação dos filhos.

O Senhor estabeleceu mandamentos, estatutos e juízos, que deveriam orientar a vida do seu povo na terra que eles iriam possuir. O termo “mandamento” (hb. miswah), significa ordem, lei, ordenança, preceito, e tem haver com os aspectos legais da vida em sociedade. Os “estatutos” (hb. hoq), envolvem os costumes, que se relacionam estritamente com as questões culturais. Por “juízos” (hb.mispat) entende-se as sentenças judiciais, os julgamentos que deveriam estar fundamentados na retidão e justiça.

Como podemos observar, as normas foram dadas pelo Senhor, e eram indispensáveis para uma boa convivência, uma boa ordem social, e para o temor e glória do seu próprio nome. As normas deveriam “ensinar” (hb. lamadh), ou seja, instruir ou educar o povo.

Uma vez aprendido, os mandamentos, estatutos e juízos deveriam ser compartilhados com as novas gerações, para que dessa maneira se perpetuassem. O bem comum da nação dependeria da sua determinação em atentar e guardar durante todo o tempo as ordens do Senhor, o que resultaria também no prolongamento de sua existência, crescimento e desenvolvimento:

[...] para que temas ao SENHOR, teu Deus, e guardes todos os seus estatutos e mandamentos que eu te ordeno, tu, e teu filho, e o filho de teu filho, todos os dias da tua vida; e que teus dias sejam prolongados. Ouve, pois, ó Israel, e atenta em os cumprires, para que bem te suceda, e muito te multipliques na terra que mana leite e mel, como te disse o SENHOR, Deus de teus pais.”

A base da obediência do povo ao único Deus verdadeiro deve ser o amor:

Ouve, Israel, o SENHOR, nosso Deus, é o único SENHOR. Amarás, pois, o SENHOR, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força.”

O amor, mais do que mera verbalização, é sentimento que brota do mais profundo do ser, e que se manifesta de forma concreta em atitude, em obediência, em submissão incondicional a Deus.

Uma vez estabelecida a base teórica, normativa e legal que regeria o povo, faltava apenas especificar a maneira pela qual as gerações futuras receberiam tais conteúdos. O processo educativo seria agora especificado:

Estas palavras que, hoje, te ordeno estarão no teu coração;”

Antes de ser compartilhada com as gerações futuras, a palavra do Senhor precisa ser guardada, observada e praticada pela geração presente. A autoridade de alguém para compartilhar conhecimentos depende da disposição em aplicá-los a si mesmo.

O ensino não deve ser uma mera demonstração arrogante e vaidosa de domínio didático, sapiencial ou persuasivo. O ensino deve ser uma demonstração de vida, de exemplo. A eloquência maior não é aquela que flui da fala, mas da existência, da vida.

tu as inculcarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e ao deitar-te, e ao levantar-te.”

A palavra ordenada pelo Senhor deveria ser “intimada” ou “inculcada” (hb. sanan) aos filhos. O sentido de intimar e inculcar conforme o termo hebraico é afiar, apontar, amolar. Em sentido figurado é utilizado para denotar agudez, a capacidade da palavra em atingir de forma profunda o ouvinte ou aprendiz. A ideia em Deuteronômio 6.7 é a de que a palavra fosse gravada nos corações dos filhos, assim como foi gravada nas tábuas de pedra da Lei, mediante um objeto agudo. O ato de falar (hb. dabhar) seria este objeto. A oralidade no ensino desempenhou um importante papel na antiguidade, e em especial na vida em família.

O espaço educativo onde o ensino aconteceria seria o ambiente familiar, a casa, o lar. No dia a dia das relações familiares o processo ensino-aprendizagem deveria fluir entre pais e filhos.

Analisando a sociedade contemporânea, e nela as relações familiares, percebemos o quanto se torna cada vez mais distante o ideal prescrito pelo Senhor para preservação e transmissão de sua Palavra no lar.

A família está cada vez mais dispersa, pai e mãe trabalham fora, os filhos ficam em creches, escolas de tempo integral, com os avós, babás ou outros cuidadores. Quando conseguem estar debaixo do mesmo teto, em casa, os membros da família ficam enclausurados em seus aposentos, ou em seus mundos virtuais particulares, através da internet, tv, etc. No caminho para a igreja, escola ou lazer, as coisas não são diferentes, dentro do mesmo carro ninguém conversar, cada um fica na sua.

A família raramente está junta, e quando assim está não interage, não se comunica, não se percebe, não se curte, e o pior, não compartilha a palavra de Deus, fundamento para uma vida familiar com qualidade, para uma vida cristã que em tudo exalta o Pai.

Se desejarmos cumprir com a nossa missão doméstica de educar os filhos na Palavra do Senhor, e assim obedecê-lo em amor, é preciso sair do nível das intenções e caminhar em direção às ações concretas.

É preciso dedicar mais tempo à família. É preciso, além disso, dedicar mais tempo para ensinar a Palavra de Deus em família.

O COMPORTAMENTO INADEQUADO DOS FILHOS

Qual a razão do comportamento inadequado, imoral e rebelde dos filhos? As respostas para tais questões não devem ser simplistas, pois envolvem muitas possibilidades, onde dentre as principais podemos citar:

- Educação permissiva. Há filhos que desde cedo “pintam e bordam” na igreja, no prédio onde moram, na escola e não recebem reprovação alguma de seus pais. Pelo contrário, se alguém repreendê-los ou chamá-los a atenção, podem criar um problema para si mesmo. São filhos mimados, que geralmente reproduzem a má educação dos próprios pais, que não dão testemunho cristão.

- Excesso de rigor na criação dos filhos. Há pais que são tão duros com os seus filhos, cobrando deles um comportamento acima da média e impondo sobre eles um padrão de “santidade” tão alto (que de santidade não tem nada), que acabam por alimentar um sentimento de revolta, um ódio, uma revolta que mais cedo ou mais tarde se manifestará das mais diversas formas. Quantos filhos já não foram espancados por jogar bola de gude, empinar pipa, andar de bicicleta e por outras práticas que em nada maculam a moral e a fé do crente. Muitos destes pais espancadores ainda sofrem de culpa por perceberem sua crueldade e radicalismo, por entenderem hoje o mal que fizeram aos seus filhos, muitos destes marcados, desviados e revoltados (Ef 6.4).

- Carência afetiva. Beijos e abraços devem fazer parte do cotidiano da relação pais e filhos. Manifestações de afetividade, palavras doces, elogios e reconhecimento fazem bem. As necessidades afetivas não supridas podem desenvolver em nossos filhos sentimentos e comportamentos inadequados, com o propósito de serem notados, percebidos. Uma atitude rebelde pode ser um grito de desespero de quem sofre por falta de carinho e atenção.

- Amizade não construída. Os pais precisam construir um relacionamento de confiança com os filhos, precisam se tornar os seus melhores amigos, alguém com quem eles possam contar nos momentos mais críticos da vida, nas horas da forte tentação, das dúvidas e das fraquezas. Se não formos os melhores amigos de nossos filhos, podem ter certeza, eles buscarão noutros tal nível de confiança e amizade.

- Ausência ou presença de má qualidade. Já ouvi, e mais de uma vez, filhos reclamarem que os pais nunca lhes dedicaram tempo e atenção, devotando à igreja e ao trabalho tais privilégios, esquecendo-se dos de sua própria casa e família. Ninguém pode cuidar da igreja ou de seus negócios, sem que antes cuide de sua própria família (1 Tm 3.4-5,5.8). Os pais precisam viver cada fase da vida dos filhos, e se fazer presentes nos momentos mais especiais. Eles só terão uma infância, uma adolescência e uma juventude.

- Rebeldia deliberada. Os pais nem sempre são responsáveis por influenciar negativamente a conduta dos filhos. A parábola do filho pródigo é um claro exemplo disso (Lc 15.11-24). Há pais que educam os seus filhos conforme os fundamentos da Palavra, que são grandes exemplos de piedade, e mesmo assim os filhos se enveredam por caminhos difíceis, que só causam dor, tristeza e vergonha para os seus pais. As más amizades e companhias, a concupiscência da carne e dos olhos, a soberba da vida, a liberdade de escolha, as astutas ciladas do diabo, são fatores que podem desviar do caminho do bem um filho criado com amor, afeto, cuidado e disciplina na medida certa.

Por : Jose Mauro e Sandra

Nenhum comentário: