BEM VINDO A TODOS!

sábado, 9 de fevereiro de 2013

A VIÚVA DE SAREPTA






TEXTO AÚREO

“Em verdade vos digo que muitas viúvas existiam em Israel nos dias de Elias, quando o céu se cerrou por três anos e seis meses, de sorte que em toda a terra houve grande fome; e a nenhuma delas foi enviado Elias, senão a Sarepta de Sidom, a uma mulher viúva” (Lc 4.25,26).

VERDADE PRÁTICA

Para socorrer e sustentar os seus filhos, Deus usa os meios mais inesperados.

LIÇÃO BÍBLICA EM CLASSE – 1 Rs 17.8-16

8 - Então, veio a ele a palavra do SENHOR, dizendo:
9 - Levanta-te, e vai a Sarepta, que é de Sidom, e habita ali; eis que eu ordenei ali a uma mulher viúva que te sustente.
10 - Então, ele se levantou e se foi a Sarepta; e, chegando à porta da cidade, eis que estava ali uma mulher viúva apanhando lenha; e ele a chamou e lhe disse: Traze-me, peço-te, numa vasilha um pouco de água que beba.
11 - E, indo ela a buscá-la, ele a chamou e lhe disse: Traze-me, agora, também um bocado de pão na tua mão.
12 - Porém ela disse: Vive o SENHOR, teu Deus, que nem um bolo tenho, senão somente um punhado de farinha numa panela e um pouco de azeite numa botija; e, vês aqui, apanhei dois cavacos e vou prepará-lo para mim e para o meu filho, para que o comamos e morramos.
13 - E Elias lhe disse: Não temas; vai e faze conforme a tua palavra; porém faze disso primeiro para mim um bolo pequeno e traze-mo para fora; depois, farás para ti e para teu filho.
14 - Porque assim diz o Senhor, Deus de Israel: A farinha da panela não se acabará, e o azeite da botija não faltará, até ao dia em que o SENHOR dê chuva sobre a terra.
15 - E foi ela e fez conforme a palavra de Elias; e assim comeu ela, e ele, e a sua casa muitos dias.
16 - Da panela a farinha se não acabou, e da botija o azeite não faltou, conforme a palavra do SENHOR, que falara pelo ministério de Elias.

PROPOSTA DA LIÇÃO

          “Vai-te daqui”. Saia de cena. Procure refúgio, esconderijo;
          Acabe jamais procuraria Elias em Sarepta. Seria ilógico;
          Uma gentia contribuiu para a continuidade do plano divino;
          Um gigante espiritual auxiliado por uma frágil mulher;
          O que a mulher possuía era insignificante, pouco;
          Mas ela colocou Deus em primeiro lugar (Mt 6.33);
          Novo desafio para Elias: o filho morto da viúva;
          Três vezes estendeu a mão sobre o menino. Outra vitória;
          Não há limites quando Deus decide revelar seu poder.

INTRODUÇÃO

A visita do profeta Elias a terra de Sarepta, onde foi acolhido por uma viúva pobre, é emblemática por algumas razões:

  • A história revela o cuidado de Deus para com os que se dispõem a fazer a sua vontade. Não importam onde estejam, Deus cuida de cada um de seus filhos. Elias foi o agente de Deus para confrontar a apostasia no reino do norte. Necessitava, pois, de um lugar seguro para refugiar-se;

  • O episódio revela a soberania de Deus sobre as nações. Mesmo tratando-se de uma terra pagã, Deus escolheu dentre os moradores de Sarepta, uma mulher que serviria como instrumento na construção de seu propósito;

  • Deus ordenou a uma viúva pobre, humilde e que estava em situação pior que a do profeta, mas havia outras tantas em melhores condições, mas Deus tinha o seu plano e estratégias para abençoar os dois lados. Mesmo que fosse incomum um homem se achegar a uma mulher, o profeta assim o fez e cumpriu a vontade de Deus;

  • A pessoa que mais recebeu de Deus foi a viúva e não Elias, pois ele foi enviado até ela, conforme o relatado por Jesus (Lc 4.25-26).

a) Trajetória de Elias – de Querite a Sarepta:

Elias perde sua zona de conforto na fonte e Querite”, pois o ribeiro secou devido a seca (1 Rs 17.1), momento em que Deus ordenou a ida de Elias à Sarepta, para que fosse sustentado por uma viúva, sem nome, pagã, pobre, sem esperança e perspectiva (1 Rs 17.8-9) que estava em situação pior que a dele e quem sabe até simpatizante de Jezabel, adoradora de Baal. Pela lógica humana esperaríamos que Deus enviasse o profeta para a casa de um abastado líder ou pessoa influente, mesmo naquela região, circunvizinha de Sidom, terra da rainha má, mas ele foi enviado até a casa mais humilde. Sobre isto o professor Luciano de Paula Lourenço escreveu:


“Por que Deus agiu assim? Deus poderia ter enviado Elias para a casa de um dos líderes religiosos de Sarepta que estivesse em condições de recebê-lo e hospedá-lo durante aquele período de provação. Ou, o Senhor poderia tê-lo encaminhado ao homem mais rico do local e convencesse o homem a manter Elias até quando fosse necessário. Mas Deus ordenou que o profeta buscasse o destino mais improvável, a casa mais humilde, a pessoa mais necessitada naquele momento: uma viúva sem eira nem beira. O texto bíblico diz que a situação daquela mulher era tão crítica, que ela estava prestes a preparar a sua última refeição e aguardar, com o único filho, a morte. Então, por que Deus enviou o profeta à viúva de Sarepta, que estava vivendo um momento de dificuldade e escassez muito maior que a experimentada por ele”?

I – UM PROFETA EM TERRA ESTRANHA

1. A FONTE DE QUERITE

A profecia de Elias sobre a seca, que também o atingiria, deu inicio ao combate entre o verdadeiro Deus e Baal, por isto ele recebeu a orientação divina para se esconder no ribeiro de Querite (1 Rs 17.3). Ele havia se tornado uma persona non grata em Israel, pois esta sua mensagem (1 Rs 17.1) soou como um desafio a Acabe, forçando-o a sair de cena temporariamente, caso contrário seria encontrado e morto pelo casal real.

Em Querite, ele foi sustentado milagrosamente e da forma mais improvável (1 Rs 17.3-6). Aquele era um lugar de sombra e água fresca, mas não representava o ponto final da jornada de Elias, Deus queria fazer algo a vida de Elias e aquele local era propício. Sobre isto o professor Francisco A. Barbosa escreveu:

“Querite” – deriva do verbo original (Cha-vath), que significa “cortar, colocar no tamanho certo. A ideia é de aparelhar”. É exatamente isso que Deus faz com os seus homens no campo de treinamento. Quando lemos a história de Elias, aprendemos que Deus tem seus campos de treinamento onde cada um dos chamados por Eles são preparados para os grandes enfrentamentos. Podemos enxergar duas razões pelas quais Deus enviou Elias para o Querite: Proteção e Treinamento. Silêncio e solidão fazem parte da experiência no campo de treinamento. Ao aceitar ir para aquele campo de treinamento, Elias estava pronto para servir ao Senhor pública ou reservadamente”.


Ele não poderia fixar-se naquele local, porque ali não havia a fonte permanente, pois se tratava de um rio temporário dependente das águas das chuvas, justamente o que faltava na época. Aquela provisão seria temporária, fato este constatado pelo profeta, já que a cada dia ele percebia que o ribeiro ia se secando, mas contrariando a logica humana, ele permaneceu no local e não correu da situação. Somente saiu quando Deus ordenou que fosse a Sarepta, de Sidom. Quem faz de Querite o seu ponto final certamente terá problemas, porque esta fonte um dia seca.

2. ELIAS EM SAREPTA

No momento em que o ribeiro se secou um novo tempo se iniciou para Elias, que se afastou de sua terra, de seu povo e de sua terra, indo refugiar-se em território fenício (1 Rs 17.9). Ele não questionou a Deus e não ficou procurando sentido ou lógica nas ordens recebidas. Foi chamado para defender o culto ao verdadeiro Deus em Israel, mas foi enviado para Sidom, nação governada pelo pai de Jezabel (1 Rs 16.30). Deus tirou um profeta da terra prometida, por algum tempo e o esconde justamente no território do inimigo.

A geografia bíblica informa-nos que Sarepta era uma pequena localidade situada a cerca de quinze quilometros de Sidom, “conhecida como Zarefate em algumas versões (Ob 1.20) e como Sarepta no Novo Testamento (Lc 4.26)”, terra da temida Jezabel (1 Rs 16.31).

Ás vezes o Senhor faz coisas que parece não ter logica alguma! No entanto, esse foi o único lugar do qual o rei Acabe jamais pensaria em procurar o profeta (1 Rs 18.10). São nas coisas menos prováveis que Deus realiza seus desígnios! Sarepta parecia ser uma terra de ninguém, mas estava no roteiro de Deus para a efetivação do seu propósito.

A ordem foi: “Levanta-te, e vai para Sarepta”, porque uma viúva o sustentaria, mas a situação dela era precária. Em Israel havia a lei que garantia alguns direitos para as viúvas, mas as nações vizinhas não atentavam para elas. A seca não foi somente para Israel saber que o Senhor era Deus, mas serviu também para Elias descobrir isto, pois percebeu que outras nações também foram atingidas, no caso Sidom. Em breve ele veria o socorro divino para os estrangeiros.

II. UMA ESTRANGEIRA NO PLANO DE DEUS


1. A SOBERANIA E GRAÇA DE DEUS. 

Quando o Senhor ordenou ao profeta que se deslocasse até Sarepta, revelou-lhe também qual era o seu propósito (1 Rs 17.9). Elias precisava sair da região controlada por Acabe. Sobre isto o professor Luciano de Paula Lourenço escreveu:


“Primeiramente, ordenou-lhe que se escondesse junto ao ribeiro de Querite. Os corvos tiveram ordens de alimentá-lo. Em seguida, Deus ordenou novamente e enviou Elias a Sarepta, onde ordenou que uma viúva (1Rs 18:9) o alimentasse. Essa viúva parecia ser um instrumento incomum para Deus – “Ordenei ali a uma mulher viúva”. Ela não era israelita. Era uma viúva sem posição social e sem influência nem poder. Ela mesma estava quase morrendo de fome”.


O texto é bem claro em referir-se a viúva como sendo um instrumento que o Senhor usaria para auxiliar a Elias. Quem era essa viúva ninguém sabe. Todavia, foi a única escolhida pelo Senhor, dentre milhares de outras viúvas, para fazer cumprir seu projeto soberano (Lc 4.25-26). Era uma gentia que, graças ao designo divino, contribuiu para a construção e desenvolvimento do plano divino. É bem capaz que ela não percebeu que estivesse sendo usada por Deus.

Será que a experiência da provisão milagrosa recebida no Querite serviu para aumentar a confiança de Elias, enquanto ele caminhava à Sarepta? Mas em sua chegada teve uma surpresa negativa, pois avistou a viúva apanhando lenha na entrada da cidade, solitária, já que não possuía ninguém que pudesse ajudá-la. Que abalo na fé do profeta? Uma viúva solitária, sem recursos, com um filho, como poderia sustentá-lo? Ele estava andando andando por fé e não por vista (2 Co 5.7).




2. A PROVIDÊNCIA DE DEUS.

A providência divina para com Elias antecipou o que o apóstolo Paulo escreveria algum tempo depois. As coisas loucas seriam usadas para confundir os sábios e os fracos seriam usados para confundir os fortes (1 Co 1.27). Um gigante espiritual ajudado por uma frágil, viúva e pobre. O que Elias deve ter pensado sobre esta situação? Será que durante a viagem imaginava encontrar uma mulher com recursos e posses? A providência divina já havia se manifestado nos alimentos trazidos pelos corvos (1 Rs 17.4-6). Agora revelar-se-ia através de uma viúva pobre.

Ora, em uma nação onde era exigido por lei cuidar de seus profetas, é pasmoso que Deus tenha recorrido a uma viúva estrangeira para cuidar do seu profeta” e justamente no território de Baal, a terra natal daquela que o procurava. Deus providenciou o socorro a Elias de onde ele jamais imaginava ou esperava. O ambiente era estranho, os personagens envolvidos eram duvidosos, a situação de ambos eram embaraçosas, mas Elias não duvidou e confiou.

Deus permitiu que passasse necessidades durante a viagem, tanto que na chegada pediu água para a mulher. Logo descobriu que ela o sustentaria. Comedido e educado, pediu também um bocado de pão, do tamanho da mão dela, ou seja, somente o necessário. Ele não se aproveitou da situação, bem diferente dos fariseus (Mt 23.14). Mesmo de Sidom, uma estrangeira, ela amava o próximo e atendeu prontamente ao profeta. Havia tantas viúvas em Israel, mas Deus escolheu a de Sarepta (Lc 4.25-26).

Ela sabia que ele era israelita, “vive o Senhor teu Deus”. Ela reconheceu a soberania de Deus, por isto foi a escolhida. A viúva fez a parte dela, cumpria seus deveres, por isto Elias teve a certeza de que ela o sustentaria, então ele entregou a benção profética para ela. Ele pediu que ela fizesse um bolo pequeno e não grande e somente para ele.

Seria estranho para Elias morar com uma gentia, com filho, viúva e em uma cidade que estava sofrendo com o que houvera ele mesmo profetizado. Muitos comentários maldosos devem ter surgido, sem contar que as diferenças históricas e étnicas o tornavam não bem visto naquelas terras.

Quem sabe não acusaram a mulher de trazer a maldição de Baal sobre eles, já que esta divindade estava em uma suposta guerra com Jeová, o Deus de Israel. Depois que acolheu o profeta, o seu filho adoeceu e a sua situação piorou a cada dia. Parece que a história se repetia para Elias, pois quando estava no ribeiro, foi provido por Deus, mas a cada dia via o ribeiro secando. Da mesma forma estava aquela viúva, sendo abençoada com a multiplicação, mas contemplava seu filho sofrendo, por isto ela não deu ouvidos aos comentários. No dia da morte do filho ela desabafou. Ela pensava que Deus amava somente Israel e que a multiplicação do azeite e da farinha havia sido somente para socorrer o profeta.

“Agora sei que tú és homem de Deus”, só agora. Depois de tanta multiplicação, somente agora é que foi reconhecer isto? Ela descobriu que o Senhor era o único, em todas as nações.

III – O PODER DA PALAVRA DE DEUS

1. A ESCASSEZ HUMANA E A SUFICIÊNCIA DIVINA

A mulher que Deus havia levantado para alimentar Elias durante o período da seca disse não possuir nada ou quase nada (1 Rs 17.12). De fato o que essa mulher possuía como provisão era algo humanamente insignificante. O termo hebraico usado para punhado, dá a ideia de algo muito pouco, mas era dela. Deus queria operar o milagre a partir do que a viúva tinha. A suficiência divina se revela na escassez humana. O pouco com Deus torna-se muito! A viúva que deveria sustentar Elias, estava passando por necessidades, mas isto não impediu que ela acreditasse diante da autoridade demonstrada por Elias. Sobre isto o professor Luciano de Paula Lourenço escreveu:

 

“No mundo bíblico, quando tudo ia bem, as viúvas eram personagens marginais. Especialmente se não tinham filhos crescidos para cuidar delas. Eram facilmente vitimadas e tinham limitados recursos legais. Em tempo de uma grande seca, as coisas eram ainda piores para elas. Cada família estava lutando pela própria sobrevivência e não havia sobras para viúvas pobres. Essa mulher recebeu o pedido de alimentar o profeta. Quando consideramos sua realidade social e econômica, ela era, realmente, a candidata mais improvável. Só havia um punhado de farinha e um pouco de óleo entre essa pobre mulher e a morte pela fome. A mulher que Deus havia escolhido para alimentar o profeta Elias durante o período da seca disse: “Vive o Senhor, teu Deus, que nem um bolo tenho, senão somente um punhado de farinha numa panela e um pouco de azeite numa botija; e, vês aqui, apanhe dois cavacos e vou prepará-lo para mim e para o meu filho, para que o comamos e morramos” (1Rs 17:12). Aquela viúva agiu com honestidade e sinceridade”


2. DEUS, A PRIORIDADE MAIOR.

O profeta entrega à viúva de Sarepta a chave do milagre quando lhe diz: “porém faze disso primeiro para mim um bolo pequeno e traze-mo para fora; depois, farás para ti para teu filho” ( Rs 17.13). O profeta era um agente de Deus, e atendê-lo primeiro significava colocar Deus, em primeiro lugar, contrariando a lógica humana. O texto sagrado afirma que ”foi ela e fez segundo a palavra de Elias” (Rs 17.15). Tivesse ela dado ouvidos a sua razão e não obedecido as diretrizes do profeta, certamente teria perdido a benção. O segredo, pois, é colocar a Deus em primeiro lugar (Mt 6.33).

IV – O PODER DA ORAÇÃO

1. A ORAÇÃO INTERCESSORIA

A seca profetizada por Elias (1 Rs 17.1) se cumpriu. Tiago, porém, destaca que a predição de Elias foi acompanhada de oração (Tg 5.17). Novamente o profeta encontra se diante de um novo desafio e somente a oração provaria a sua eficácia. O filho da viúva morreu e Elias tomou as dores da pobre mulher, pondo se em seu lugar e clamando ao Senhor (1 Rs 17.19-20). Deus ouviu e respondeu ao seu servo. Sobre isto o professor Luciano de Paula Lourenço escreveu:


“Ele...  orando, pediu que não chovesse, e, por três anos e seus meses, não choveu sobre a terra (Tg 5:17). Em outra ocasião, já em Sarepta, o filho da viúva falecera, e Elias roga ao Senhor que traga a vida do menino, e Deus responde à oração de Elias, realizando a primeira ressurreição (volta à vida) da Bíblia – “...Ó Senhor, meu Deus, rogo-te que torne a alma deste menino a entrar nele. E o Senhor ouviu a voz de Elias; e a alma do menino tornou a entrar nele, e reviveu” (cf 1Rs 17:21,22). Por meio de Elias, o testemunho de Deus foi dado em terras estrangeiras por meio deste grande milagre. Observe no versículo 21 que Elias foi insistente, perseverante, na sua oração: “se mediu sobre o menino três vezes, e clamou ao Senhor...”. O próprio Jesus destacou a necessidade de sermos perseverantes na oração ao narrar a parábola do juiz iníquo (Lc 18:1)”.

2 – A ORAÇÃO PERSEVERANTE

Elias orou com insistência, estendendo-se sobre o menino três vezes. Por alguns minutos esteve frente ao silêncio de Deus, mas não desistiu. Muitos projetos não se concretizam, ficam pelo caminho porque não são acompanhados de oração perseverante. O Senhor Jesus destacou a necessidade de sermos perseverantes na oração, ao narrar a parábola do juiz iníquo (Lc 18.1) e é com tal perseverança com que conseguiremos alcançar nossos objetivos ou que nossas orações não foram ouvidas. Sobre isto o professor Francisco A. Barbosa escreveu:


“Uma das grandes lutas para qualquer cristão jovem ou maduro está em entender que o silencio de Deus não quer dizer que sua oração não foi aprovada. Pode ser que haja uma demora para a resposta, mas esta demora não quer dizer que sua oração foi desaprovada. Moisés, Elias e Daniel aprenderam isto. Enquanto eles continuavam a orar, enquanto perseveravam na oração, Deus respondeu a tudo o que perseverantemente buscavam. Moisés viu a glória de Deus (Ex 33.12-16, 18), Elias viu a chuva chegar depois de 3 anos e meio de seca (1Reis 18.41-46 e Tiago 5.17,18) e Daniel recebeu a revelação de Deus (Dn 10.1-12). Eram como Bartimeus do Velho Testamento. Estavam no lugar certo na hora certa, persistiram em oração e a fé deles cresceu para encontrar o perfeito tempo de Deus, o qual resultou em fantásticas experiências de resposta divina. Perseverança na oração nos ajuda a ficarmos prontos espiritualmente para o que Deus está fazendo no reino espiritual. Quantas vezes desistimos, nos desgostamos ou nos desesperamos justamente antes da resposta vir”?


CONCLUSÃO

A soberania de Deus sobre a história, sobre os povos e o cuidado para com aquele que o teme se revelam de forma maravilhosa no episódio envolvendo o profeta Elias e a sua visita à Sarepta. Não há limites quando Deus quer revelar a sua graça e tampouco há circunstâncias que possa impedi-lo de mostrar o seu poder provedor.


OBJETIVOS DA LIÇÃO:

1) Compreender que Deus é o nosso provedor:
          Deus proveu Elias e a viúva e continua o mesmo.

2) Explicar o poder da graça de Deus para com os gentios:
          Havia muitas viúvas em Israel, mas Deus escolheu outra;
          Abençoou uma pobre viúva de Sidom. Graça aos gentios.

3) Conscientizar-se do poder da Palavra e da oração.
          Elias entregou a mensagem à viúva. Ela creu;
          Elias orou pelo filho morto e sua oração foi eficaz




REFERÊNCIA


BARBOSA, Francisco de Assis. A viúva de Sarepta. Disponível em:http://auxilioebd.blogspot.com.br/2013/02/licao-6-viuva-de-sarepta.html. Acesso em 07 de fevereiro de 2013.


BARBOSA, José Roberto A. A viúva de Sarepta. Disponível em:http://subsidioebd.blogspot.com.br/2013/02/licao-06.html. Acesso em 04 de fevereiro de 2013.



Bíblia de estudo aplicação pessoal. CPAD, 2003


Bíblia Sagrada: Nova tradução na linguagem de hoje. Barueri (SP). Sociedade Bíblica do Brasil, 2000

Bíblia Sagrada – Harpa Cristã. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, Rio de Janeiro: Casa Publicadora das Assembléias de Deus, 2003.

CARNEIRO FILHO, Geraldo. A viúva de Sarepta. Disponível em:http://pastorgeraldocarneirofilho.blogspot.com.br/2013/02/escola-biblica-dominical-igreja.html. Acesso em 06 de fevereiro de 2013.

Estudantes da Bíblia. A viúva de Sarepta. Disponível em:

LOURENÇO, Luciano de Paula. A viúva de Sarepta. Disponível em:http://luloure.blogspot.com.br/2013/02/aula-06-viuva-de-sarepta.html. Acesso em 05 de fevereiro de 2013.

SILVA, Eliezer de Lira. A busca do caráter cristão – aprendendo com homens e mulheres da Bíblia. Lições Bíblicas. Faixa Jovens e Adultos. 3º trimestre de 2007. Casa Publicadora das Assembléias de Deus, CPAD, 2007.

REDE BRASIL DE COMUNICAÇÃO. A viúva de Sarepta. Disponível em:http://www.rbc1.com.br/licoes-biblicas/index/. Acesso em 07 de fevereiro de 2013.



Por: Ailton da Silva - Ano III


Crédito: a http://ailtonsilva2000.blogspot.com.br

Nenhum comentário: